Universidade

A crise e a democracia em debate na UFRJ

Coryntho Baldez

Desenho de pessoas reunidas simbolizando uma discussão sobre política.

A quem interessa a atual crise brasileira? Segundo Adriano Pilatti, professor de Direito Constitucional da PUC-Rio, a crise se tornou um jogo de “ganha-ganha” para o capital, pois os custos dela estão sendo impostos exclusivamente aos trabalhadores brasileiros. 

Após participar no dia 29/6 do debate A Crise Política no Brasil, no auditório do Centro de Tecnologia (CT2), na Cidade Universitária, Pilatti defendeu, em entrevista ao Conexão UFRJ, a realização de eleições gerais para a Presidência e o Congresso como “medida sanitária” para a crise. Veja abaixo: 

Mariana Trotta, professora da Faculdade de Direito da UFRJ, participou do debate como expositora – o segundo da campanha Brasil Pra Quem, promovida pela UFRJ – e apontou a atual crise política como expressão de uma contradição estrutural do próprio modelo de Estado: “Há contradições de classe do capitalismo que são inconciliáveis”. 

Ela considera, porém, que é possível construir formas mais democráticas de participação popular para impedir a retirada dos direitos sociais e permitir que os trabalhadores tenham mais influência na formulação das políticas de Estado.