Extramuro

A fotografia como resistência: profissionais populares relatam experiência a estudantes

Pedro Barreto

Foto em preto e branco, realizada em 2015, na Serra do Espinhaço, em Minas Gerais, que retrata moradores daquela comunidade fazendo fotografias uns dos outros
Foto: João Ripper

Aconteceu no dia 20 de setembro a palestra Favela, Periferia e Memória, como parte da programação do 7º Concurso Nacional de Fotografias da Escola de Comunicação (ECOfoto), organizado pela Escola de Comunicação e pela Decania do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH), através do Espaço Memória, Arte e Sociedade Jessie Jane Vieira de Souza. O evento contou com a participação do professor Dante Gastaldoni, da ECO-UFRJ, e dos fotógrafos Thaís Alvarenga e Luiz Baltar, formados na Escola de Fotógrafos Populares da Maré Josy Manhães.

No auditório Professor Manoel Maurício de Albuquerque lotado de estudantes de Comunicação Social, a Academia aprendeu um pouco com o saber, as experiências e vivências deste grupo de profissionais oriundos das favelas e bairros da periferia carioca.

O docente, coidealizador - ao lado de João Roberto Ripper - do projeto Favela, Periferia e Memória, contou a história do surgimento da Escola de Fotógrafos Populares, em 2004, paralelamente ao nascimento da Agência Imagens do Povo. Gastaldoni exaltou a parceria com Ripper e sua trajetória de luta e de resistência através da fotografia.

O Brasil real em imagens

Em sua apresentação, o professor exibiu uma foto do parceiro (na abertura da matéria), realizada em 2015, na Serra do Espinhaço, Minas Gerais, que retrata moradores daquela comunidade fazendo fotografias uns dos outros. “Esta foto se refere àqueles que são alijados, que estão na periferia do capitalismo, que não são representados nas imagens da mídia hegemônica”, analisou. “Ripper saiu da grande mídia para fazer um trabalho autoral. Passou então a retratar o trabalho escravo, a fome e a miséria Brasil afora. Isso mostra as possibilidades de resistência através da fotografia”, completou.

Imagem colorida da palestra Favela, Periferia e Memória.
Mesa: Thaís Alvarenga, Josy Manhães, João Ripper e Luiz Baltar. Foto: Fábio Caffé.

Gastaldoni falou ainda das dificuldades de sobrevivência do projeto, como os momentos em que os patrocínios se tornaram escassos, mas também dos diversos prêmios, exposições, coletivos criados e dos inúmeros profissionais que foram formados a partir dessa iniciativa. “O nosso maior orgulho é que, hoje, os fotógrafos formados em nossa escola retiram o seu sustento de seus trabalhos como professores e ‘oficineiros’”, relatou.

Josy Manhães recordou sua trajetória pessoal, desde o nascimento no bairro do Estácio até a criação do coletivo Curta Raízes Produções, no Morro do Cantagalo, para onde se mudou após o casamento. A fotógrafa iniciou-se no ofício em 2009, ao concluir o curso na Escola de Fotógrafos Populares. Ao lado de João Roberto Ripper, passou a correr o país registrando o cotidiano de populações indígenas, como os Javaé Karajás, no Tocantins; os Huni Kuin, no Acre; a Escola Família Agrícola, em Taiobeiras, Minas Gerais; e demais “invisíveis”, termo que virou nome do filme produzido por ela e premiado no Festival 72 Horas como melhor documentário (e que pode ser assistido aqui).

Consciência forjada na arte

Thaís Alvarenga, moradora da Vila Kennedy, na zona oeste da cidade, hoje tem orgulho de dizer que é filha de um gari e de uma diarista. Mas nem sempre foi assim. Ela conta que, quando criança, se envergonhava da profissão dos pais. Ao se tornar adulta e aprender a fotografar, tomou consciência de seu lugar em uma sociedade excludente. “Na minha família e no meu bairro, a discussão sobre ser mulher negra não tem vez. Hoje, eu procuro dar visibilidade a essa questão através do meu trabalho”, afirmou.

Em homenagem ao pai, dirigiu o documentário Só limpeza, sobre o grupo de samba de mesmo nome, composto exclusivamente por funcionários da Companhia de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro (Comlurb) (clique aqui para assistir).

“A intenção ‘deles’ é não deixar a gente sonhar, fazer a gente ficar em casa, aniquilado. Por isso, procuro fazer fotos de mulheres negras e idosas. A gente não acredita que pode ser bonito, pois nossa autoestima está destruída. Precisamos mudar essa realidade e eu acredito que o meu trabalho se propõe a isso”, disse a fotógrafa.

Luiz Baltar é fotógrafo, designer e morador do bairro de Olaria. Após a formação na Escola de Fotógrafos Populares, juntou-se aos coletivos Favela em Foco e Folia de Imagens. Do aprendizado com Ripper e Gastaldoni, herdou o viés crítico de seu trabalho. “Acredito na fotografia como uma forma de militância, de entender o nosso lugar e resgatar a nossa memória”, analisou. “A obra do Ripper para mim foi muito importante, pois ele utiliza a fotografia como uma ferramenta de defesa dos Direitos Humanos”, completou.

Imagem em preto e branco do cotidiano dos moradores de favelas com UPPs.
O cotidiano dos moradores de favelas com UPPs. Foto: Luiz Baltar

Baltar coleciona prêmios por sua atuação profissional. Em 2015 conquistou o primeiro lugar no Foto Rio, que premia portfólios fotográficos. No ano seguinte, venceu o Prêmio Brasil de Fotografias com o trabalho Fluxos, composto por fotografias tiradas de dentro do ônibus durante o trajeto Olaria-Urca, seu antigo local de trabalho.

Também em 2016 levou o Prêmio Conrado Wessel, um dos mais representativos concursos de fotografias do país, com o trabalho Contrafluxos, que reúne fotos realizadas entre 2009 e 2014 sobre as remoções promovidas pela Prefeitura do Rio de Janeiro, ocupações policiais e intervenções militares nas favelas do Rio, antes e durante os megaeventos esportivos internacionais realizados na cidade. “Enquanto os fotógrafos da grande mídia entram nas favelas atrás da polícia e fazem a propaganda das ações estatais, nós posicionamos nossa câmera ao lado do morador. E isso faz toda a diferença”, finalizou Baltar.

* Jornalista do setor de Comunicação do CFCH